Grande Loja Maçônica do Estado do Rio Grande do Sul

HISTÓRICO

Em 28 de janeiro de 1921 falecia o irmão Luiz Soares Horta Barbosa, Grão-Mestre Adjunto.

Ocupava o cargo de Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil o irmão Thomas Cavalcanti de Albuquerque.

Deixando vago este importante cargo, foi realizada uma eleição para preenche-lo. Participaram do pleito os irmãos: José Maria Moreira Guimarães, apoiado por quase todas as lojas do Grande Oriente do Estado de São Paulo e o irmão Mário Marinho de Carvalho Behring candidato do poder central.

O vencedor foi Mário Behring, mas os irmãos que apoiaram José Maria Moreira Guimarães, não se conformaram alegando que o resultado seria outro se não fossem anuladas, pela comissão que apurou os votos, várias atas de lojas paulistas.

Mesmo assim Mário Behring foi consagrado vitorioso e tomou posse em 16 de julho de 1921. Era o novo Grão-Mestre Adjunto do Grande Oriente do Brasil.

De acordo com a Constituição de 24 de fevereiro de 1907 do Grande Oriente do Brasil e pelo Estatuto do Supremo Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito de 11 de agosto de 1911 os cargos de Soberano Grande Comendador e de seu Lugar Tenente do Grande Comendador deveriam ser preenchidos pelos irmãos que ocupassem os cargos de Grão-Mestre e de seu Adjunto respectivamente.

Desta forma Mário Behring pela legislação vigente ocuparia o cargo de Lugar Tenente do Soberano Grande Comendador do Supremo Conselho.

De forma surpreendente para a época não concordou e pediu que os integrantes do Supremo Conselho o elegessem. Argumentava o irmão Mário Behring que deveriam prevalecer as normas internacionais do Rito Escocês que estabeleciam a independência dos Supremos Conselhos em relação aos graus simbólicos. Os integrantes do Conselho, embora sendo esta uma medida ilegal as luzes dos regulamentos vigentes, aprovaram sua solicitação e o elegeram para Lugar Tenente em Sessão de 1º de agosto de 1921.

Em fevereiro de 1922 Mário Behring foi eleito Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil tomando posse em 28 de junho de 1922. Mantendo coerência com a atitude anterior, solicitou e foi eleito pelo Conselho do Supremo Conselho do Rito Escocês Antigo e Aceito para ocupar o cargo de Soberano Grande Comendador em 9 de junho de 1922. Mais uma vez foi contrário a legislação vigente que lhe assegurava o poder sem nenhuma outra providência. Por um lado buscava atender aos Supremos Conselhos internacionais através de eleição independente e por outro lado dirigia duas entidades que os mesmos Supremos Conselhos determinavam total separação.

Mas este era o início da busca da regularidade internacional que somente seria concretizada em 1927 com a criação das Grandes Lojas estaduais definindo assim a total independência da maçonaria simbólica da filosófica. O Grande Oriente do Brasil somente reconheceu este fato em 23 de maio de 1951 tendo hoje as duas entidades separadas.

Em 13 de junho de 1925 deixou o cargo de Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil permanecendo como Soberano Grande Comendador e, em 4 de junho de 1926, foi aprovado por fim um Estatuto no Supremo Conselho dando maior independência entre o Grande Oriente e o
Supremo Conselho.

Em 1927 passou a ser Grão-Mestre do Grande Oriente do Brasil o irmão Otávio Kelly e, de acordo com a legislação vigente, declarou que assumiria o alto posto do Supremo Conselho.

Marcou então uma reunião de seu Conselho Geral para o dia 20 de junho de 1927. Alguns dias antes, em 17 de junho, em uma sexta-feira, Mário Behring, realizou uma reunião extraordinária do Supremo Conselho tomando decisões importantes como as de expedir Cartas Constitutivas as Grandes Lojas que estavam sendo criadas nos estados da federação. Como segunda medida, entre outras decisões tomadas naquela célebre reunião, foi a de romper relações com o Grande Oriente do Brasil.

Na oportunidade foi declinado que o Soberano Comendador seria elegível pelos membros efetivos e que o Grão-Mestre não necessariamente deveria ter graus além de Mestre Maçom.

Quando o Grão-Mestre Otávio Kelly realizou a reunião do Grande Oriente do Brasil no dia 20, segunda-feira, a separação definitiva dos graus simbólicos e filosóficos já estava decidida pelo Supremo Conselho de Mário Behring.

O Brasil estava iniciando as mudanças para adaptar-se as exigências da III Conferência Supremos Conselhos do Rito Escocês Antigo e Aceito realizada em Lausanne realizada de 29 de maio à 2 de junho de 1922. Foi lá que iniciou a derradeira exigência para que os Supremos Conselhos fossem independentes.

Sendo o Supremo Conselho o legítimo detentor do Rito Escocês perante os outros 35 Supremos Conselhos no mundo as quais, durante anos o irmão Mário Behring manteve profícuo relacionamento, nada mais legítimo a emissão das referidas Cartas Constitutivas por parte deste Supremo Conselho.

Em 22 de maio de 1927 foi criada a primeira Grande Loja no estado da Bahia com a posterior emissão por parte do Supremo Conselho. A IV Conferência mundial teve início no dia 29 de abril de 1929 em Paris quando foram recebidas as credenciais dos participantes a partir das 9 horas da manhã. Iriam apresentar-se dois Supremos Conselhos representando o Brasil. Um do irmão Mário Behring e outro do irmão Otávio Kelly.

A confederação internacional reconhece somente um Supremo Conselho por país e a única exceção é o caso dos Estados Unidos da América do Norte que possuí dois Supremos Conselhos. A Comissão encarregada de analisar as credenciais reconheceu o Supremo Conselho do Irmão Mário Behring pois este possuía autonomia e negou-a ao Supremo Conselho do irmão Otávio Kelly pois este estava subordinado ao Grande Oriente do Brasil. Até nesse ponto os representantes do Supremo Conselho do irmão Mário Behring tomaram a frente, pois chegaram antes da hora prevista perante a comissão de recebimento de credenciais. Quando os representantes do irmão Otávio Kelly chegaram para apresentar suas credenciais, minutos depois, o Brasil já estava representado, sendo então negada a entrada a esta delegação. Estes apresentaram sua justificativa por escrito e reclamaram veementemente, mas seu protesto nem foi lido em plenário.

No dia 8 de janeiro de 1928 quatro lojas do sul do estado, reunidas em Bagé, decidiram acompanhar este movimento mundial de separação da maçonaria vermelha da maçonaria azul, criando a Grande Loja Simbólica do Rio Grande do Sul.

São estas lojas: A Loja "Rocha Negra" de São Gabriel, a Loja "Caridade Santanense" de Santana do Livramento, a Loja "Fraternidade" de Pelotas e a Loja "Amizade" de Bagé recebendo, através de sorteio, os números 1 a 4 respectivamente. Loja "Rocha Negra" Nº 1, Loja "Caridade Santanense" Nº 2, Loja "Fraternidade" Nº 3 e Loja "Amizade" Nº 4. A Loja "Amizade" Nº 4 permaneceu durante breve período ligada a Grande Loja recém fundada, retornando em seguida ao Grande Oriente do Rio Grande do Sul no qual ainda hoje é obediente.

Líder deste movimento, a Loja "Fraternidade" Nº 3, teve um de seus obreiros escolhido para ser o primeiro Grão-Mestre, o irmão Manoel Serafim Gomes de Freitas. Durante os primeiros anos, a Grande Loja teve como sede a cidade de Pelotas, onde sua estrutura foi organizada; de 1934 a 1936 a sede foi para Bagé; de 1936 à 1939 em Porto Alegre; quando retornou à Pelotas até 1942. A partir desse ano teve sua sede administrativa transferida para a capital gaúcha de forma definitiva....






inove4web